Dano Cerebral - Uncensored

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Dano Cerebral - Uncensored

Mensagem por Verseus O. Mitchell em 14/2/2014, 20:20

Eu era o tipo de criança que sempre pensava que o céu estava caindo. Por que eu fui construído tão diferentemente? Eu sou um marciano? Que tipo de experiência perturbada eu estou? Porque eu não pertenço à esse mundo. Por isso eu estou constantemente zombando de autoridades, sempre desafiador.
Perdendo o controle com minha mãe, não tenho pai. Minha mãe reproduziu como um dragão de Komodo. Heheh.
Aos 12 eu era o anjinho, aos 13 eu estava recarregando a 12 e guardando-a na estante. Minha mãe usava heroína e pílulas quando ela estava grávida, então o bebê nasceu deformado, um demôniozinho branquelo. E depois de eu nascer, ela continuou me alimentando com pílulas para dormir. "Retardado?" O que o médico disse? "Dano cerebral"? Eu devo ter nascido durante um terremoto. A puta me culpava pelo meu pai ter saído, do meu irmão ter sido levado pelo governo e do meu tio ter se suicidado. "Olha só essa pílula nova, mãe. Aqui, engole elas." Haha.
No colégio, eu era estranho e quieto, tímido. Bem antes de eu virar um demônio, eu era assediado diariamente por esse moleque gordo chamado D'Angelo Bailey, que agia mal, porque seu pai lutava boxe. Um dia eu estava mijando no banheiro, ele chegou e me pegou no momento de submissão perfeito para me bater. Ele pegou minha cabeça e bateu contra o mictório até ele quebrar o meu nariz, ele me enforcou até eu perder meu ar. Quando eu caí, ele me chutou e eu segurei meu fôlego por mais ou menos 5 minutos até ele sair. Foi naquele dia que eu decidi revidar. Eu peguei uma vassoura e alguns parafusos e fui até ele. Dei um soco na cara dele e segurei ele no chão com o meu pé.
- Isso é por todas as vezes que você roubou meu leite com chocolate, toda vez que você puxou minha bandeja e caiu e esparramou. Eu vou revidar, seu merda, por agora e para sempre. - eu peguei a vassoura e bati na cara dele com toda a minha força, até quebrar a madeira. Eu disse que eles não deveriam ter me tirado da escola reformatória, um otário deformado cagando na piscina aquecida. Eu disse que não fui eu, eu disse que eu tinha um irmão gêmeo!
A minha professora de inglês queria fazer sexo com os alunos no Ensino Médio, o único problema era que a minha professora era um cara. Heheh.
Eu bati na cara dele com o apagador do quadro, persegui ele com o grampeador, grampeei as bolas dele numa pilha de papéis.
Fui até a balada, pelado e com um sobretudo com o zíper puxado. Assustei a bartender, e prendi meu pau na jarra de gorjetas.
Estapeando professores e me masturbando na frente dos meus conselheiros. As outras crianças diziam "Verseus é um cabeça oca! (nananina) ele nunca vai passar. A única matéria que ele vai passar é educação física!" Provavelmente verdade, até que eu disse pra essa vagabunda na ginástica:
- Você é tão gorda que não consegue passar na pista de natação sem usar um cabo de elevador!
- Quem? Eu?
- Isso mesmo, vagabunda!
Ela me pegou como se fosse quebrar um galho no meio e me enfiou no armário. Eu senti a maldade e comecei a transformar. Arrombei a porta do armário com o pé, peguei a puta pelos cabelos de dentro da sala de aula e puxei ela pra baixo, vi a barriga dela vibrar quando ela caiu, as crianças me encorajavam como fãs, eu puxei ela pelos corredores até a sala da natação, coloquei ela no trampolim mais alto e joguei ela de lá.
- Desculpa treinador, muito tarde pra me parar.
...
Eu tinha 16 anos, voltei pra casa e minha mãe não quis nem saber, me jogou pra fora. Eu morei na casa dos meus tios até os 22, sem estudo, eu trabalhava numa lancheria, me sentia um merda. Minha namorada estava me processando por danos morais e me culpava por ela ter tentado se suicidar. Eu tive uma filha em que eu pagava comida, roupas. A minha namorada não era nada mais que uma drogada. Eu amava minha filha, por isso eu tentava manter nosso relacionamento. Foda-se uma gostosa, eu quero uma mulher gorda, que cozinha e limpa.
Mais um ano se passava, eu arranjei uma casa ruim e velha em que eu morava com a minha filha, Hailey, e minha namorada, Kim. Vivi ali por 5 anos completos. Um dia minha namorada, agora esposa simplesmente me mandou ir pro inferno e me jogou pra fora e conseguiu uma ordem de restrição contra mim. Eu fiquei muito furioso. Eu aguentei por mais um ano, um ano fodido. Estava morando na casa do meu amigo, Deshaun. Eu fiquei ok com Kim. Eu passava uma semana com Hailey por mês, eu estava feliz. Até eu soube que a puta estava com outro cara e que ia viajar com Hailey. Eu não aguentei. Foi isso, eu ser despedido do meu trabalho e duas garrafas de vodka numa noite inspirada na minha casa sozinho, e eu fiz minha decisão.
Devo estar rondando a casa dessa puta por nove horas e 45 minutos agora. Finalmente encontrei seu endereço, encostei na sua garagem e fui para o lado direito da casa de Kim. Eu cheguei ao meu potencial máximo, eu me agachei e observei pela janela. Hailey estava no berço, os dois estavam assistindo televisão. Que pessoas mais nojentas.
...
Eu estava abraçando minha filha, sabendo que seria a última vez que a veria. O corpo do marido de Kim estava no chão
- Sophia, eu fiquei triste quando me jogou pra fora, quer me jogar pra fora?! TUDO BEM! MAS ME SUBSTITUIR? LEVAR VICTORIA PARA LONGE DE MIM?
- Vem, vamos dar uma voltinha de carro. Não se preocupe, já vamos voltar. Quer dizer, eu vou, você vai estar no porta-malas.
Eu levei minha esposa para o meio da floresta, perto da margem do rio, onde havia um píer.
Eu abri a porta e levei ela pra fora, e deixei ela sentada do lado do carro.
- Na verdade, tudo faz sentido. O seu marido briga com você, um acidente do calor do momento acontece, você não se aguenta e se suicida. Então agora é homicídio, suicídio e NENHUMA NOTA!
Eu corto a garganta dela com prazer e observo o sangue escorrer por dentro da manga da minha camisa.
Eu coloco ela no porta-malas, volto para minha casa, pego minha filha e volto pro píer.
- Depois disso você pode tirar seu soninho Hayhay, agora é hora de ajudar o papai. A mamãe é tão preguiçosa, derrubou katchup por toda a camisa, não se limpou e agora está dormindo.
Eu vou pra fora, com Hailey no meu colo e puxo Kim até o píer.
- Hayhay, amarre esta corda nessa pedra. Mamãe está bem, ela só quer tirar um soninho no fundo do oceano. No três nós empurramos, ok? 1, 2, 3, weeeeeee! Lá se vai mamãe, não há mais viagem, não tem ordem de restrição, nenhum irmãozinho novo pra Hailey.
Peguei meu carro, deixei Hailey com Deshaun. e fui até a casa da minha mãe. Peguei uma pá do meu porta-malas, entrei no trailer da minha mãe forçando a porta, entrei e dei com a pá na nuca dela. Coloquei o corpo dela no porta-malas, dirigi até a casa do meu amigo Deshaun, peguei a Glock dele sem ele ver, dirigi até um banco, assaltei ele e matei todas as testemunhas oculares. Eu saí do banco, eu vi um carro de polícia chegando perto. Eu entrei no carro rapidamente e dirigi até o píer novamente, e joguei meu carro na água.
Um monte de gente pensa que, eu glorifico o demônio. Que eu faço, todos os tipos de merdas retardadas. Por todos os meus amigos que eu tinha, então, eu sinto falta do meu passado. Mas o resto de vocês filhos da puta, vocês todos podem ir se foder. Se eu vou pro inferno, ÓTIMO, porque eu ainda não me importo.

_________________
Cores:
Spoiler:
Eu falando
Pensamentos e descrição/Narração
Outros falando
Pensamentos
avatar
Verseus O. Mitchell
Caçadores
Caçadores

Estado Civil : Solteiro(a)
Mensagens : 281
Data de inscrição : 23/08/2012
Idade : 31
Localização : Dentro da cabeça de todo mundo

Ficha de Personagem
Vida:
1000/1000  (1000/1000)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum